São Paulo: muito obrigada

Reuni nesse textinho 10 histórias sobre a minha breve passagem por São Paulo, de julho de 2014 a fevereiro de 2016. Talvez, você encontre aqui alguns motivos para conhecer mais a cidade. Se for da área da Comunicação, talvez, você encontre aqui alguns motivos para se mudar. Se estiver planejando mudança, mas ainda faltar coragem, talvez você encontre aqui algumas respostas: é preciso apenas ir.

Empreendedorismo de quintal
Eu não me lembro exatamente a primeira vez que estive em São Paulo. Minhas memórias se confundem entre dezenas de raves, blogcamps, campus partys e outros eventos e cursos de tecnologia. Me recordo que o período da efervescência foi 2008. Saí de carro do Rio de Janeiro com um grupo de 5 amigos da Pós-graduação em Mídias Digitais que fazia na Universidade Estácio. Foi uma viagem divertida. Acampamos por 3 dias e nos deixamos contagiar com toda aquela energia. Eu me sentia ligada no 220 volts. Diversos palcos, palestras simultâneas, um ambiente nerd diferente e um empreendorismo de quintal que chega a dar saudade.

Levei 6 anos pra me mudar
Desde sempre os paulistanos e adjacentes me perguntavam quando eu me mudaria pra São Paulo. Afinal, a meca da Publicidade era ali. Logo, eu me impressionava com as diferenças arquitetônicas das agências de publicidade que tomavam prédios inteiros e não apenas andares de prédios comerciais, como no Rio de Janeiro. Acendia-se uma luz e um pensamento: São Paulo, um dia.

Não entendi porque o Neymar saiu da Copa
No dia em que Neymar tomou uma joelhada na vértebra e ficou fora da Copa do Mundo de 2014, eu estava de mudança pra São Paulo. Tentando sinal pra escutar o que poderia ter acontecido pro Neymar ter deixado o campo. Perdemos o sinal bem nesse momento. Foi uma viagem tranquila, apesar disso. Tínhamos alugado o carro mais barato da locadora pra fazer minha mudança. Um golzinho, que veio de coisas até o teto. Que tirava a visão traseira do motorista. Me disseram que eu tive coragem.

Uma Fotógrafa de moda no Ipiranga
Não tenho família em São Paulo. Achei uma menina pelo grupo de divisão de apartamento no Facebook. O tópico dela estava em crise e me despertou atenção, pois ela não tinha feito nada para ter um tópico em crise. Sua postura era coerente e educada, mas as universitárias ficaram bravíssimas com o direcionamento de não levar homens para dormir em casa (ela tinha seus motivos e, mesmo assim, me mudei pra lá namorando).

Vermelhão
Eu me mudei com o cheque especial e o seguro desemprego. Tinha uma “promessa de trabalho” e não uma proposta de emprego. E mesmo assim, fui com a cara e a coragem. Não foi fácil ficar em casa nos primeiros dois meses. Passava as tardes enviando zilhões de currículos, mas como peguei um final e pós-Copa do Mundo, o mercado não estava muito aquecido. Todas as verbas de comunicação tinham sido utilizadas pra Copa e, certamente, não havia contratações suficientes pro número de interessados em trabalhar.

Berrini
Nenhum Paulistano que eu conhecia gostava da Berrini. Eu adorei a Berrini. Talvez eu consiga explicar: a Berrini é bonita, é limpa, não tem assalto à pedestre, tem zilhões de restaurantes pra todos os tipos, gostos, bolsos e interesses gastronômicos, a Berrini é floridinha, cosmopolita, cuidada, diferentona. Se você nunca morou no Rio de Janeiro, talvez nunca entenda o meu amor pela Berrini (tá, piorei as coisas), mas preste atenção nas calçadas esburacadas do Rio de Janeiro e na arquitetura misturada, velha e esquisita. Talvez, você me entenda.

Social Media, propósito e angústia
Voltei pra Social Media. E era isso que eu queria. Voltar pra Social Media em São Paulo: demais. Morar em São Paulo trabalhando como Gerente de Social Media: foda! Só que foi bastante cansativo. Prazeroso e cansativo. Doroloso e alegre. Mixed feelings. Queria minha qualidade de vida de volta. O que eu fiz: me mudei pra perto da Berrini e comecei a ir a pé pro trabalho. Descobri que era bom, mas eu queria mais. Queria mais pra mim e pro mundo. Entrei na vibe do propósito. Pensei que já vou fazer 32 e não tenho nada. Uma parte de mim aprendeu que o materialismo não é bom. Outra parte aprendeu que eu trabalho pro capitalismo. Outra parte reflete em nossos problemas sociais. E o que eu estou fazendo com isso? Senti angústia.

Acesso
Muitos cariocas me perguntaram se a troca RJ-SP valia a pena. A minha resposta sempre foi elaborada, mas se eu pudesse resumir em uma palavra, essa palavra seria acesso. E isso vale pra qualquer outro estado do país. Sim, definitivamente, a meca da Publicidade está lá: as maiores agências, as melhores contas, os maiores salários, os escritórios das plataformas sociais, os eventos fodas, as pessoas que fazem tudo isso girar. Então, o que você acha de ter acesso a isso tudo e a todas essas pessoas? Eu achei maravilhoso. E quando disse aos quatro ventos que não tinha pretensão de sair de São Paulo era verdade (mesmo que tudo mudasse).

Cidade enorme
Gastei mais de táxi, gastei muito em uber, gastei tempo, senti saudades e dificuldade de encontrar todos os amigos, ir a todos os eventos. Senti preguiça (além de falta de grana). As distâncias geográficas fazem diferença na rotina e também na manutenção dos laços que se faz em São Paulo. Principalmente, se você não tem carro, como eu.

Uma super despedida
No dia 12 de fevereiro de 2016, eu me despedia de São Paulo. E São Paulo me deu a melhor despedida na Augusta que eu podia ter. Muitas pessoas, muitos abraços, muita vibe boa, muito desejo de boa sorte , acompanhado de você merece. Muito amor, contrariando a música do Crioulo. São Paulo me deu muito amor, mas deu muito amor nesse dia em específico. Foi uma mensagem de volte: a casa é sua. Eu fiquei em êxtase com esse encontro. Peguei a estrada rumo ao Rio de Janeiro pensando nas vozes, nos rostos e na presença de cada um. Foi muito especial pra mim. Me senti em aniversário, me senti tão amada. E só pude ficar muito grata.

São Paulo: muito obrigada. Volto pra te visitar sempre que puder.

Patrícia Moura

Patrícia Moura é Publicitária, Especialista em Mídias Digitais e professora em cursos de Pós-graduação e MBAs em Marketing digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>